Fome emocional: quais os efeitos provocados no organismo?

Fome emocional: quais os efeitos provocados no organismo?

 

A fome emocional é um transtorno psicológico que afeta a forma como nos alimentamos no cotidiano e como fazemos as escolhas dos alimentos. Este distúrbio faz com que as pessoas optem por alimentos mais calóricos, como forma de compensar os sentimentos causados pelo estresse, pela ansiedade,

pelo cansaço e pela falta de tempo livre de qualidade no dia a dia. Para muitas pessoas, a fome emocional não é racional, ou seja, é difícil perceber que os sentimentos estão sendo descontados na comida e que isso pode trazer prejuízos para a saúde física e psicológica, além de afetar também a qualidade de vida.

Para os indivíduos que sentem a fome emocional, é natural devorar um sorvete, uma barra inteira de chocolate ou um combo de hambúrguer e fritas, não por uma necessidade do corpo, mas sim por uma demanda das emoções.
As reações químicas e os hormônios produzidos após refeições super calóricas trazem uma sensação instantânea de satisfação, mas logo isso se transforma em culpa e mais ansiedade.

Trata-se, portanto, de um problema comportamental que cria um ciclo vicioso, difícil de ser controlado sem auxílio médico. O grande problema é que a fome emocional faz com que as pessoas ganhem muito peso e corram um risco maior de desenvolver doenças crônicas, como diabetes e hipertensão arterial, por exemplo.

Os perigos não param por aí! Pessoas que não conseguem se controlar e que não diferenciam a fome real da fome emocional também ficam mais sujeitas a problemas cardiovasculares. Por isso, é fundamental entender os efeitos que a fome emocional provoca no organismo e buscar tratamento para este quadro.

O impacto das emoções na alimentação A comida nunca deve ser usada como uma compensação para sentimentos de frustração, tristeza ou desânimo. É preciso controlar os fatores emocionais que servem como gatilhos para a busca de alimentos e guloseimas.
Temos que aprender a respeitar o nosso corpo e a seguir a nossa fome fisiológica, ou seja, precisamos nos alimentar apenas quando realmente sentimentos fome.

As refeições devem ser equilibradas, com alimentos de qualidade nutricional, fracionadas e moderadas. Essa é a única forma eficaz de
evitar o sobrepeso e a obesidade.Tratamentos para quadros de fome emocional A fome emocional é uma das principais causas de ganho de peso entre a população, principalmente entre jovens e adultos, que estão mais expostos às pressões e aos problemas do cotidiano. Estes pacientes precisam de suporte psicológico e de um acompanhamento multidisciplinar.

Em primeiro lugar, é preciso saber diferenciar a fome emocional da fome fisiológica. Para isso, responder a algumas perguntas básicas pode ajudar.

Veja:

● Você come para aliviar o estresse e as cargas emocionais negativas?
● A comida é uma forma de recompensa para você?
● Você não consegue controlar a vontade de comer?
● Você come mais do que seu corpo precisa?
● Você sente muito prazer ao comer?
● Você tem desejos por alimentos super calóricos ou doces?

Responder sim a maior parte das perguntas acima já é um indicativo de que suas emoções interferem nas suas escolhas alimentares. Tenha em mente que a fome emocional cria obstáculos para o emagrecimento, favorece a ocorrência do efeito sanfona e promove o ganho acentuado de peso em pouco tempo. O tratamento deste quadro deve ser feito com atendimento multidisciplinar, com o psicólogo, o nutricionista e o médico. O acompanhamento ajuda o paciente a romper com este padrão de comportamento prejudicial à saúde.

Será preciso aprender a reconhecer e a lidar com a fome emocional, desenvolvendo o autocontrole e a habilidade de identificar os motivos que nos levam a comer.

Para obter este suporte profissional e para aprender a lidar com suas emoções, agende uma consulta na Clínica Dr. Carlos Eduardo Canarim, no Rio de Janeiro. Além de obter o atendimento multidisciplinar necessário com Psicóloga Clínica e Bariátrica, Nutricionista e Endocrinologista, você também terá acesso a um cirurgião especializado em cirurgia bariátrica, caso precise deste tratamento.