Cirurgia metabólica para controle do diabetes tipo 2

Cirurgia metabólica para controle do diabetes tipo 2

Em novembro de 2017, o Conselho Federal de Medicina divulgou a resolução número 2.172/2017, que traz novas especificações e aprova a cirurgia metabólica para controle do diabetes tipo 2. O presidente do conselho declarou que o processo está padronizado e relembrou que o diabetes tipo 2 está frequentemente associada à obesidade.

O diabetes tipo 2 é uma doença crônica e progressiva, e sua incidência está aumentando com o passar dos anos. Cerca de 9% da população brasileira convive com o diabetes, são mais de 14 milhões de pessoas que poderão ter na cirurgia metabólica uma opção de controle da doença, caso a intervenção clínica não demonstre resultados.

Os estudos sobre a cirurgia metabólica

Em 2011, a International Diabetes Federation introduziu a cirurgia metabólica como opção de tratamento ao paciente portador de diabetes tipo 2, com IMC entre 30 e 35, que não responde a tratamentos medicamentosos e com risco de doenças cardiovasculares.

Nos anos seguintes, em 2013 e 2014, as regras começaram a abranger também aqueles pacientes que, mesmo após mudanças no estilo de vida, não obtiveram resultados satisfatórios. Aos poucos, as regras foram ficando mais claras e objetivas, até chegar no ponto em que estamos.

Conforme os estudos feitos, a cirurgia metabólica mostra resultados positivos de curto, médio e longo prazo, diminuindo a mortalidade de origem cardiovascular. A regulamentação desse procedimento é mais do que uma vitória, é um progresso em relação ao diabetes e a medicina.

Tratamentos atuais para diabetes

Diversos fatores dificultam o tratamento do diabetes com medicamentos e drogas injetáveis, inclusive a adaptação do paciente à nova rotina, o preço dos medicamentos, a disciplina ao ministrar as doses, entre outros fatores.

Outra situação que contribui para o agravamento da doença são os outros quadros que andam junto com o diabetes, como a hipertensão, o colesterol e triglicérides elevados. Nessa situação, o quadro é conhecido como síndrome metabólica, e faz com que aumente as chances de problemas cardíacos.

Qual é a diferença entre as cirurgias metabólica e bariátrica?

Na cirurgia metabólica, acontece o mesmo processo da cirurgia bariátrica. O diferencial entre as duas cirurgias é que a metabólica tem como objetivo o controle da doença, já a cirurgia bariátrica tem como propósito a perda de peso, com as metas para controle de doenças como a hipertensão, o colesterol e triglicérides elevados.

Quais os critérios para a indicação da cirurgia metabólica?

Além do IMC e da falta de resposta à intervenção clínica, outros critérios para a indicação da cirurgia metabólica são a idade mínima de 30 anos e máxima de 70 anos, ter menos de dez anos de diagnóstico do diabetes e receber a indicação de dois endocrinologistas para a cirurgia. Inicialmente, a cirurgia metabólica será realizada por Bypass Gástrico, e em casos de restrições a essa técnica, será realizada a Gastrectomia Vertical.

Os avanços das pesquisas e o aval do conselho Federal de Medicina são um marco importante na vida de atuais e futuros portadores do diabetes, pois a cirurgia metabólica não causará uma melhora apenas na saúde, mas também na qualidade de vida desse paciente.

A Clínica Dr. Carlos Eduardo Canarim, clínica de cirurgia do aparelho digestivo no Rio de Janeiro, entende a complexidade da diabetes tipo 2 e, assim como os avanços, visa a melhora do paciente. Contamos com cirurgião, endocrinologista, nutricionista e psicólogo para melhor atender e compreender cada caso individualmente. Agende uma consulta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *